A Abrasel continua firme pressionando a Secretaria Estadual da Fazenda a corrigir distorções que elevaram ainda mais a carga tributaria do setor recentemente. Em reunião realizada em 28 de junho último, o presidente Raphael Dabdab  e Ézio Librizzi (ex-presidente), apresentaram argumentos ao novo secretário de Turismo, Tufi Michreff Neto, que saiu convencido, manifestou seu apoio e se comprometeu a agendar e acompanhar reunião com o secretário da Fazenda sobre as seguintes demandas:

* Retorno do regime especial de ICMS, revogado em janeiro de 2016 – passou de 3,2% para 7% às empresas não enquadradas no Simples, trazendo redução de investimentos e crescimento, fechamento de bares e restaurantes e redução de empregos.

*Adoção de medidas de compensação ao aumento da carga tributária gerada pelo sublimite do Simples desde janeiro de 2018 – as redes de fast food tiveram acréscimo entre 3% e 4%, enquanto os segmentos de buffet a quilo amargaram incremento de 4% a 5% e os restaurantes entre 5% e 6%.

*Adoção do sistema NFC-e (Nota Fiscal Eletrônica), deixando de exigir impressora fiscal física – entre os estados brasileiros, somente Santa Catarina não adotou o sistema.